Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, JARDIM PAULISTA, Mulher, Portuguese, Spanish, Livros, Games e brinquedos



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 GTPOS


 
Blog da margamoura


O BRASIL VIRA UMA PÁGINA IMPORTANTE

 

 

Só o tempo e a História dirão quem tinha razão.  O Brasil está num processo político de virar uma página importante, o que provavelmente acontecerá amanhã.  O novo presidente até já está convidando para a posse.

 

O Brasil teve alguns presidentes da República depostos.  Getúlio Vargas foi deposto pelo Exército, em 1945, quando terminou a guerra na Europa.  Quando voltou, em 1950, e cometeu suicídio, em 1954, Café Filho o substituiu, por pouco mais de um ano.  Não ficou, porém, até o final do mandato.  Foi afastado e substituído por Carlos Luz, que também não permaneceu.  Veio Nereu Ramos que, finalmente, passou a faixa de presidente a Juscelino Kubistcheck.

 

Recentemente, em 1992, o presidente Collor de Mello, que havia tomado posse em 1990, recebeu o impeachment e foi deposto.  Agora, o Senado tem em mãos a votação da permanência ou afastamento da presidente Dilma Rousseff, reeleita em outubro de 2014.  Porém, a sociedade se dividiu em duas quase metades, dos que eram a favor de sua eleição e dos que eram contra.  Inconformada, a metade contra se debate há mais de um ano e meio, tentando de todos os modos fazer prevalecer sua vontade.  No entanto, é uma cláusula da democracia que os perdedores lutem, nas urnas, para suplantar uma derrota. 

Não há acordo na população se se trata de um golpe político ou de uma medida certeira.  Amanhã conheceremos a primeira parte das decisões.  As outras partes da medida?  Com o tempo e com a História.  Quem viver, verá.

 

Estarei de volta na próxima sexta-feira.  Venha comigo!

blogqueéquasediário’témerececomentário

 



Escrito por margamoura às 09h53
[] [envie esta mensagem] [ ]



ÁRVORE BICHADA NÃO DÁ MADEIRA BOA

 


É interessante a dificuldade que temos em lidar com nossos valores, desejos, normas de comportamento, ideias, crenças e sentimentos. Parece até que fazemos questão de não vê-los, de não tomarmos consciência deles.  Pois estes traços culturais são tão fortes dentro de nós que chegam a conduzir nosso comportamento pela vida afora.

 

Quantas vezes estamos numa discussão com um grupo e pouca gente percebe o que está por detrás dos pontos de vista ali presentes.  É o que chamamos de agenda escondida.  Teima-se em enfocar um determinado objeto de discussão quando, na verdade, o que está por detrás do ponto é o que realmente importa.  E é geralmente aí que entram os chamados traços culturais, as ideias, os sentimentos que andam junto com as ideias, os valores embutidos, as crenças, os chavões, os preconceitos, a mera repetição do que se ouviu nas ruas ou se viu na Internet.  E isso porque esses valores e sentimentos podem estar conscientes ou, simplesmente, escondidos no inconsciente.  E, nesse momento, eles afloram.

 

Estou pensando nas discussões de caráter político, tão frequentes entre nós.  Pouca gente se dá conta do ódio que está por detrás de determinadas posições.  É um ódio tão antigo e tão arraigado que se expressa como uma crença.  Nem sempre se para para pensar no que se está dizendo.  Apenas se repete aquilo que se vem dizendo há anos.  E parece que o ódio se multiplica lá dentro, a cada vez que se confirmam as mesmas intenções, os mesmos valores, as mesmas crenças, os mesmos sentimentos.

 

Seria preciso tomar consciência desses traços culturais dentro de nós para podermos lidar com eles.  Conhecer nossos valores, nossos sentimentos, nossas ideias, nossos preconceitos.  Trazendo-os à consciência, podemos lidar melhor com eles, sopesá-los, medi-los, apoderar-nos deles para, finalmente, tentando pôr mão neles, poder elaborar. Elaborar nossos pensamentos e sentimentos é a melhor forma de lidar com eles. 

 

E, quando tomamos essa consciência, fica mais fácil perceber os traços culturais do outro: o que ele expressa nas conversas, nas discussões, muitas vezes sem nem se dar conta direito do que está realmente dizendo.  Talvez simplesmente repita o que ouviu no rádio.  Talvez endosse os sentimentos e pensamentos de uma pessoa amiga, porque gosta dela e a admira.

 

Elaborar é fazer passar pelo crivo da dúvida o que está sendo dito, pensado, escrito, lido, discutido, veiculado pela televisão.  E passar pelo crivo os sentimentos, as crenças, as ideias, os valores, é criar uma consciência crítica – o suficiente para não continuar acreditando que uma árvore bichada possa dar madeira boa.

 

Estarei de volta na próxima quarta-feira.  Venha comigo!

blogqueéquasediário’témerececomentário

 



Escrito por margamoura às 11h08
[] [envie esta mensagem] [ ]



FRED VARGAS

 

Fred Vargas, ao contrário do que se pode pensar, é uma escritora francesa, que também é arqueóloga e historiadora.  Gosta de escrever histórias policiais e tem muito sucesso com elas.

 

O livro que acabei de ler se chama “O Homem do Avesso”, lançado no Brasil pela Companhia das Letras, em 2005, e é uma trama bem-feita, envolvendo ovelhas e lobos.  Familiarizada com a vida dos animais (ou por que tenha feito uma boa pesquisa), ela traça uma narrativa em que um caçador conhece bem os lobos da região e até trata de um deles, que já está velho demais para caçar.  A protagonista, Camille, é uma mulher já feita, um tanto desiludida com seus amores anteriores.

 

A história prende e nos leva a querer saber quem é que anda alterando a vida da região, degolando ovelhas e homens.  Para quem gosta do gênero.

 

Estarei de volta na próxima segunda-feira.  Venha comigo!

MargaMourablogueiraduradoura

 

 



Escrito por margamoura às 11h07
[] [envie esta mensagem] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]